Venda Nova TRIcentenária, sob aplausos e chuva forte.

Num desfile marcado pelas fortes chuvas, Venda Nova mostrou o seu brilho e entusiasmo no primeiro carnaval do Boulevard Arrudas, após 7 edições do evento na Via-240, no bairro Aarão Reis. O desfile contou os 300 anos desta pitoresca região de Belo Horizonte que, desde 1711, era uma rota de passagem para os tropeiros, cargas, animais e viajantes vindos dos sertões mineiros para Sabará. "Carreta", "Estrada do Carretão" e "rua Direita" foram os nomes que Venda Nova recebeu ao longo da sua história, até ser incorporada definitivamente à Belo Horizonte, no final dos anos 40.

O empolgante samba-enredo de autoria de Madruvá embalou os foliões, mesmo sob a chuva que insistia em cair. Foram lembrados no desfile o Padre Pedro Pinto, célebre e mítico religioso da região, que inspirou a roupa da nossa Bateria Venenosa, sob a batuta de Mestre Kléber e apresentada pela deslumbrante madrinha Camila Marcelino. Não faltaram menções ao lendário Capeta do Vilarinhos, os bailes de funk, à população, às manifestações folclóricas e a vocação da região em ser sede do novíssimo Centro Administrativo de Minas Gerais, área que atrai o fluxo atual de desenvolvimento da capital.

São expectativas de um recomeço para uma festa já centenária na capital, quem sabe, dessa vez, o carnaval "finque de vez o pé" e receba as devidas atenções merecidas pela sua tradição e respeito com a manutenção da mais autêntica das manifestações populares brasileira.

 

Carnaval 2011 - Conheça o nosso enredo

Grêmio Recreativo Acadêmicos de Venda Nova - Carnaval Belo Horizonte 2011

GRES Acadêmicos de Venda Nova Carnaval Belo Horizonte Escola de Samba Minas Gerais

Assista a apresentação do samba enredo vencedor, composto por Mandruvá:

 

Acadêmicos de Venda Nova canta o TRIcentenário

Histórico

Fundado em dezembro de 2004 na casa da família Gonçalves no bairro São João Batista, próximo ao centro histórico de Venda Nova. Suas cores são o azul e rosa e seus símbolos o Fênix e um pandeiro. Foram 6 participações no carnaval de BH alcançando o bicampeonato 2008 e 2009, e outros 3  vicecampeonatos. Cantará no carnaval de 2011 os três séculos do povoamento de Venda Nova. O desfile contará com 500 componentes dispostos em 4 criativos carros alegóricos, 15 alas e destaques luxuosos que ilustrarão a cultura, religiosidade, misticismo e a simpatia do vendanovense. Muita arte, brilho e cultura neste carnaval que será um verdadeiro presente para o nosso povo hospitaleiro e trabalhador.

Carnaval 2011 - VENDA NOVA TRIcentenária - um carnaval de presente.

Grêmio Recreativo Acadêmicos de Venda Nova - Carnaval Belo Horizonte 20111711... 2011. Há  três séculos o nosso bairro surgiu ao redor do caminho que unia os sertões a dourada Sabará, importante centro minerador das Gerais.  Era através da "Carreta", "Estrada do Carretão" e "rua Direita" que iam e vinham tropeiros, viajantes, rebanhos, mercadorias, sonhos, desejos e anseios de muitos povos que aqui se instalaram e construíram suas vidas e esta região. Hoje, a atual rua Padre Pedro Pinto, caminho primeiro, revela-se neste início do século XXI como pólo comercial e administrativo e uma das  principais vias de acesso da nossa população aos cerca de 40 bairros de Venda Nova. O nosso enredo exalta os vendanovenses acolhedores, festeiros, místicos, religiosos e trabalhadores, homenageados pelo GRES Acadêmicos de Venda nova, com um lindo carnaval de presente. Muitos votos de outros 300 anos de paz, felicidade, harmonia e plena cidadania. Conheça os detalhes do enredo.

 

Apresentação

O GRES Acadêmicos de Venda Nova nasceu em 01 de dezembro de 2004 pela união de diversas famílias e amigos da região, com o intuito de louvar o samba, as artes carnavalescas e manter as tradições belo-horizontinas dos desfiles das escolas de samba. Seus símbolos são Fênix e pandeiro, suas cores azul e rosa.

Grêmio Recreativo Acadêmicos de Venda Nova - Carnaval Belo Horizonte 2011

Numa curta trajetória nos desfiles das escolas de samba de Belo Horizonte, o GRES Acadêmicos de Venda Nova apresentará o seu 7o. desfile carnavalesco, caminho este iniciado em 2005 e premiado com dois campeonatos e outras três vice-colocações.

Tal resultado é o fruto de um trabalho de base realizado com muito amor, respeito e dedicação em nossa comunidade, onde identificamos os talentosos moradores e os instruímos nas práticas carnavalescas da percussão, dança, artes plásticas e composição musical.

Nossa grande motivação para este carnaval de 2011 será a comemoração dos históricos 300 anos de ocupação de nossa região, cantada através do enredo "VENDA NOVA TRIcentenária - um carnaval de presente".

Inspirados no mineiro Carlos Drummond de Andrade, no seu poema "No meio do caminho", homenagearemos a verdadeira riqueza de nossa região: o povo, que chegou e fez de Venda Nova referência em hospitalidade e generosidade aos visitantes e novos moradores que para cá vieram e escolheram viver nestas terras, outrora simples caminho para a vila mineradora de Sabará e, hoje, pulsante pólo comercial, administrativo e de serviços de nossa cidade.

A você, seus  costumes, tradições e anseios por mais dignidade social, dedicamos carinhosamente um espetáculo de carnaval como presente, criado por muitas mãos vendanovenses especialmente para esta noite. Desejamos a esta população, trabalhadora e sofrida, outros 300 anos no pelo usufruto da cidadania e da dignidade pessoal.

Viva o povo de Venda Nova!!


Caminhos

O que haverá em comum entre a heróica proteção de um caminho na Grécia em 480(a.C.) e o início do povoamento de nossa Venda Nova, um dos caminhos entre os sertões e a Vila de Sabará, cerca de 2.200 anos depois?

Através de pesquisas e análises realizadas pela nossa Acadêmicos de Venda Nova, concluímos que ambos os acontecimentos foram marcados pelo derramamento de sangue, pela tentativa de defender e/ou formar uma identidade social e cultural, e pela relevante contribuição de novos elementos históricos que contribuíram para a evolução da nossa civilização ocidental.

Falando em caminhos, travessias e transformações, buscamos da memória o  poema "No meio do caminho", publicado em 1928 pelo imortal mineiro Carlos Drummond de Andrade (1902-1987), que elevou uma metafórica "pedra" ao patamar de um obstáculo necessário e fundamental ao crescimento e desenvolvimento, um marco, o que nos impede e ao mesmo tempo nos impulsiona a atravessar um caminho escolhido para percorrer.  Esta pedra nos força a refletir, alterar nossa trajetória, buscar novos meios e alcançar outras oportunidades, possibilidades, enfim outros caminhos.

Grêmio Recreativo Acadêmicos de Venda Nova - Carnaval Belo Horizonte 2011

Leia o poema na sua íntegra:

No meio do caminho  (Carlos Drummond de Andrade 1902-1987)

No meio do caminho tinha uma pedra,
tinha uma pedra no meio do caminho
tinha uma pedra
no meio do caminho tinha uma pedra.

Nunca me esquecerei desse acontecimento
na vida de minhas retinas tão fatigadas.
Nunca me esquecerei que no meio do caminho
tinha uma pedra
tinha uma pedra no meio do caminho
no meio do caminho tinha uma pedra.

Tinha uma pedra e ela já estava lá antes que a encontrássemos. E isso só é possível porque nos pomos a caminho, já estamos no meio desta estrada, nos instauramos neste mundo e buscamos o que somos. Se estas pedras não podem ser mudadas, pode-se inventar novas posições e ocupar novos lugares diante delas. Sábio poeta.

No verão de 480(a.C.), na Grécia central travou-se a sangrenta Batalha das Termópilas, onde cerca de 7.500 mil gregos tentaram impedir o avanço do exército persa, de aproximadamente 250 mil guerreiros, por um caminho entre o mar e o desfiladeiro das Termópilas. Deste grupo destacaram-se 300 guerreiros da cidade-estado grega Esparta (os 300 de Esparta), comandados por seu rei Leônidas I, os últimos bravos a sucumbirem ao avanço do imenso e esmagador contingente liderado pelo rei Xérxes, filho de Dario I.

Grêmio Recreativo Acadêmicos de Venda Nova - Carnaval Belo Horizonte 2011

Ao relatar este episódio, o historiador grego Heródoto de Halicarnasso descreve uma batalha cruel com perdas consideráveis para ambos os lados, inclusive da quase totalidade do contingente helênico (grego), que naquele caminho foi trucidado. Apesar do fatídico acontecimento, durante o período que durou o bloqueio, foi fundamental para a salvação e proteção das cidades gregas, inclusive Atenas. Heródoto observou que, graças à duração das guerras, pôde se proteger a cultura grega (helênica), base da civilização ocidental como a conhecemos hoje. Muitas vidas se perderam e o caminho ficou manchado pelo sangue dos bravos guerreiros e dos invasores do oriente.

Passados cerca de 2.200 anos deste episódio, vemos surgir no interior das Américas, em terras de abundantes riquezas minerais e de vida natural rica e  diversificada, muitos caminhos que proporcionaram o escoamento de mercadorias, gado, riquezas e toda sorte de pessoas, tropeiros e viajantes que neles trafegaram, atravessando o sertão para chegar à rica Vila de Sabará. Por estas trilhas também muito sangue foi derramado em nome da ambição e da dominação, tal a epopéia dos “300 de Esparta“.

Venda Nova é assim, uma das pedra de Carlos Drummond de Andrade, no meio do caminho, por onde a história das Geraes atravessou e se consolidou a medida que, por aqui, muitos desviaram dos seus trajetos, fizeram pousada, trouxeram novos hábitos e levaram um pouco dos nossos costumes para a formação da cultura mineira.

 

Carreta, Estrada do Carretão, Rua Direita... (Antigos nomes de Venda Nova)

Segundo a tradição oral, Venda Nova completará 300 anos em 13 de julho de 2011, tendo começado a ser povoada por volta do ano de 1711, como pouso de tropeiros que por aqui passavam com gados e mercadorias vindos do nordeste da colônia, seguindo o Rio São Francisco e depois o Rio das Velhas, para abastecerem as minas de ouro em Sabará, mas "...no meio do caminho tinha uma pedra...".

Num desses muitos caminhos que chegavam a um dos principais centros mineradores da colônia, nasceu o povoado de Venda Nova. A região era esplêndida pela mata que a cobria, contando inclusive com variedade das espécies da flora, como jacarandás, braúnas, aroeiras, cipós-de-são-João, maracujás, e da fauna com seus belos pássaros, cervídeos, répteis. Grande extensão de suas terras era cortada pelo Córrego Vilarinho, que se alargava feito mar nas épocas das fartas chuvas.

Grêmio Recreativo Acadêmicos de Venda Nova - Carnaval Belo Horizonte 2011

Ao redor desse caminho foram-se instalando pequenos sítios e fazendas, moradias, comércios, estábulos e, com o passar do tempo, uma série de outros serviços e benfeitorias. Muitas das mercadorias cruzavam o caminho nas costas dos animais de carga, passavam também os rebanhos que supriam Sabará.

Terra cobiçada por muitos, Venda Nova já pertenceu a Sabará, Santa Luzia, Campanha (atual Ribeirão das Neves), Curral Del'Rey e finalmente, em 1948, tornou-se definitivamente um distrito de Belo Horizonte.

O mais antigo documento conhecido sobre Venda Nova é a solicitação de uma licença para o funcionamento de uma "Venda" em 1781. No início do povoamento, as principais atividades eram o comércio, agricultura e pecuária. Em 1787, a “rainha louca”de Portugal, dona Maria I, recebeu um pedido formal de populares para se erguer uma capela de invocação a Santo Antônio, resposta da concessão chegou mais de uma década depois.

Não se tem certeza do motivo do nome Venda Nova. Consta da tradição oral que um comerciante construiu uma "venda" maior e mais bem feita e que então os viajantes falavam "- vamos parar naquela venda nova", e o nome se popularizou. Venda é o nome "mineirado" dos armazéns e pequenos empórios das montanhas gerais.

Grêmio Recreativo Acadêmicos de Venda Nova - Carnaval Belo Horizonte 2011Durante 200 anos Venda Nova viu o tempo passar bem lentamente pelas suas janelas e sombras das árvores. O vai e vem dos tropeiros e rebanhos cortava o silêncio do lugar, vez ou outra quando passavam. Sua paisagem era basicamente formada por matas, plantações tradicionais e áreas de pasto.

Pouco a pouco o caminho foi se alargando, sendo conhecido inicialmente como "Carreta" e depois "Estrada do Carretão" e "Rua Direita", a atual rua Padre Pedro Pinto. Foi o palco das principais manifestações religiosas, sociais, culturais, políticas e de lazer na região. Suas tradicionais festas de Santo Antônio, o padroeiro primeiro, São Pedro, festas de maio à Virgem Maria e a Folia de reis, atraíam pessoas de todas as partes e eram de grande clamor popular.

Ao redor do caminho foram surgindo outros caminhos como o das "Pedrinhas" e do "Cerrado". Foram se estruturando as vendas e armazéns, surgiu o Cine Teatro São Pedro, a sede dos "calangos do cerrado" como era conhecido o Venda Nova Futebol Clube, o salão de danças que funcionava na sede do Botafogo Futebol Clube, os bailes ao som da Corporação Musical de Santo Antônio e do Conjunto Musical Marabá, e tempos depois o saudoso “Baile da Saudade“. Lembranças de um bairro ainda isolado da novíssima Capital, com suas ruas tranquilas e seu povo de espírito brejeiro, porém animado e político.

No ritmo do desenvolvimento de Belo Horizonte, com a inauguração do Complexo Turístico da Pampulha, incluindo o seu aeroporto, Venda Nova recebe uma ligação viária mais moderna ao centro da cidade e torna-se distrito em 1948, quando foi definitivamente anexada a capital, pelas crescentes necessidades de novas áreas para ocupação e construção de residências populares.

Nos anos seguintes, no rastro do crescimento desordenado da população, espaços verdejantes foram substituídos por aglomerados de casas e bairros inteiros. Aos poucos também foram embora o bucolismo dos ribeirões de águas cristalinas onde se podia nadar e pescar e outros tantos recantos naturais, abrigo dos piqueniques e passeios dos finais de semana.

Os moços não mais fizeram o "footing" nas tardes de domingo. Não mais houve as matinês no cineminha. Derrubaram a primeira capelinha, depois a antiga Matriz de Santo Antônio e, mais uma vez, derrubaram a nova Matriz do mesmo Santo. Hoje o Santo é inquilino da antiga Escola Municipal Padre Lebret, e somos órfãos de um templo "próprio" dedicado ao padroeiro.

O saudoso padre Pedro Pinto Fernandes e seu Ford-1928, nossas "rainhas da Rádio Nacional" Neide e Nancy, o artesão Miro, a parteira Dona Leonina, o Grupo Escolar Santos Dumont, a Capela do Sagrado Coração de Jesus, os imigrantes japoneses da Granja Mikado, os portugueses, os italianos, os alemães, os espanhóis e outros. Bola de meia, bente alta, peladinha, cavalos de pau, bonecas de pano e palha de milho, peão, pula corda, cobra cega... Tudo e todos agora só na memória.

Grêmio Recreativo Acadêmicos de Venda Nova - Carnaval Belo Horizonte 2011

Os bailes de outrora cederam lugar a música eletrônica que soa retumbante das quadras Vilarinho, lar do lendário Capeta do Vilarinho, rapaz sedutor que esconde sob o chapéu um par de chifres e um rabo debaixo da capa. Ele é o rei da night. E tem mais, muito forró, sertanejo, pagode e funk ecoando das casas noturnas, restaurantes e bares da região ao sabor da cerveja, a bebida preferida.

Hoje Venda Nova é Babel. Misturam-se aqui povos de diversas nacionalidades e origens, brasileiros de todos os cantos. O sertão não mais é um "desertão", agora todos os seus espaços estão ocupados. A região cresceu e se subdividiu em atuais 44 bairros. Em Venda Nova mantém-se a sede, no São João Batista nasceu a nossa Escola de Samba, o Serra Verde se explicava pelo próprio nome, além de sediar o Centro Administrativo de Minas Gerais, outrora Jóquei Clube.

Grêmio Recreativo Acadêmicos de Venda Nova - Carnaval Belo Horizonte 2011De acordo com o senso de 2000 somamos mais de 242 mil habitantes, espremidos numa área de 27,8km2 e abrigamos aproximadamente 218 mil eleitores (para eleição de 2010). O vendanovense ainda necessita de melhorias na sua qualidade de vida, mais segurança, saneamento básico, transporte público eficiente, unidades especializadas de educação, lazer e cultura diversificada para proporcionar outras realidades a uma população que ainda lota os ônibus coletivos e os vagões do metrô, que conta com apenas uma estação aqui, rumo às diversas regiões de Belo Horizonte, em busca de produtos e serviços mais especializados.

O que oferecer a esta população maravilhosa, sofrida e trabalhadora? O presente da nossa Escola de Samba é um emocionante carnaval em homenagem ao vendanovense, personagem principal desses 300 anos de história. Desejamos-lhes votos de outros 300 séculos com mais dignidade e cidadania plenas.

O Fênix da nossa Acadêmicos de Venda Nova, renascendo das suas próprias cinzas, evoca o espírito desbravador, esperançoso, consciente e libertário, qualidades que marcaram nossos antepassados, para desvendar bons caminhos que tornem nossa Venda Nova realmente melhor para todos nós. Vivas ao povo de Venda Nova!!

Belo Horizonte, outubro de 2010.

GRES Acadêmicos de Venda Nova
Diretoria artística

 

Agradecimentos especiais

  • Ana Maria da Silva (Centro Cultural Venda Nova);
  • Na figura do morador sr. José Martins, agradecemos a todos os amigos que contribuíram com suas memórias em depoimentos sobre Venda Nova

 

Bibliografia

  • SILVA, Ana Maria da. Lembranças... Venda Nova. Belo Horizonte: 2000.
  • PAIVA, Eduardo França. Venda Nova Séculos XVII e XIX Um estudo de história regional. Belo Horizonte: 1992.
  • PBH, Assessoria de comunicação. História de Venda Nova em contos e causos narrados para crianças e jovens. Belo Horizonte: 2003.
  • PBH, Assessoria de comunicação. História de Venda Nova em contos e causos narrados para crianças e jovens Volume II. Belo Horizonte: 2005.
  • http://portalpbh.pbh.gov.br
  • http://pt.wikipedia.org
  • Depoimentos e relatos orais de moradores da região.

 

 

Belo Horizonte - MG - Fones 31 99427.4064 e 98805.4267
email: contato@avendanova.com.br - facebook.com/academicosdevendanova

 

Quem plantar degradação, pode a dor vir semear   
O bom uso da razão, pode revitalizar           
Venda Nova canta ao mundo em alta voz                 
Salvar o planeta depende de nós   (bis)                           

Água fonte da vida
Esperança vem das algas,
Dos recifes de corais.
Proteger a fauna e a flora,
Os recursos naturais.
Vem, de coração!
Juntos faremos deste sonho realidade
Brota hoje em nossas mãos
O destino da humanidade

GRES Acadêmicos de Venda Nova
SOS Planeta Terra – o futuro chegou, e agora?
Autores: Leco Estrada, Gustavo Monteiro, Marcelo Roxo e Diego Nicolau
Intérprete: Diego Nicolau

O Pai doou, vou preservar                       
Eu quero amor, paz e alegria              
E o sol da consciência vai iluminar    (bis)     
Em Venda Nova, um novo dia                  

Ecoou..
Em "Beagá" um novo alerta, uma missão
Gaia, a deusa terra, está doente       
E o meio-ambiente pede proteção     (bis)     
O fogo, o aquecimento, o calor
Agridem as imagens de outrora
O homem com a sua ambição,
Se julgou superior,
"O futuro chegou, e agora?"